InteRural Berrante Comunicação




Milho para silagem


Como obter altas produtividades?
 
Como muitos produtores se encontram numa fase de planejamento da produção de volumoso para o próximo ano, aproveitamos a oportunidade para discutir alguns pontos, que podem reduzir os custos de produção e ajudar a garantir o sucesso da próxima safra. Muito do que será abordado já faz parte da rotina em muitas propriedades, no entanto alguns procedimentos ainda são pouco comuns em parte delas.
 
Conhecimento da fertilidade do solo da gleba, correções de solo e a adubação utilizada
 
Acredita-se que este seja o primeiro passo a ser dado para o planejamento de todas as safras em qualquer fazenda. Com o aumento dos valores dos corretivos e dos fertilizantes, atualmente, esses insumos podem representar quase 60% dos custos para produção de silagem de milho. Assim, se o técnico conhecer bem a fertilidade da área, por meio de uma boa análise de terra, é possível, em muitos casos, utilizar uma fórmula menos concentrada e reduzir o impacto do insumo fertilizante no custo final da lavoura. Só para se ter uma idéia da importância da recomendação adequada de adubação, basta dizer que muitos produtores empregam como adubo de plantio 400 kg/ha de NPK 08 28 16, ano após ano. Isso é justificado, via de regra, pelos baixos níveis de fósforo encontrados nos primeiros anos de cultivo em muitas áreas. No entanto, à medida que as glebas são cultivadas, os teores de fósforo são aumentados no solo. Assim, pode-se chegar a uma situação em que o produtor passa a utilizar, por exemplo, a formulação NPK 10 20 10. Essa simples mudança de formulação poderá significar uma economia de cerca de 400 reais/ha, sem reflexos em perdas de produção. Se for considerado um custo de 3.000 reais/ha, o produtor teria uma economia de 13%. Contudo, isso só será possível se o produtor contar com apoio técnico apropriado e empregar essa ferramenta eficientemente em suas áreas.
A adubação deve ser equilibrada e ser feita de acordo com as necessidades da cultura, expectativa de produção e fertilidade do solo, dentre outros. Assim, no exemplo anterior, o produtor de silagem poderia estar usando uma adubação excessiva em fósforo, com maior custo e baixa em potássio. O milho é uma das culturas com maior necessidade de potássio para atingir uma boa produtividade. Como 70 a 80% do potássio são armazenados nas folhas e colmo, quando se trata de uma lavoura de grãos, a maior parte do nutriente retorna ao solo, ao contrário de uma lavoura de silagem, em que toda planta é colhida. Os dados para exemplificar esse fato foram extraídos de resultados de pesquisa da Embrapa Milho e Sorgo. Na Tabela 1, a seguir, é feita uma comparação entre as necessidades de potássio para uma lavoura de grãos e para uma lavoura de silagem, em áreas com diferentes tetos produtivos
 
Tabela 1. Extração média de nutrientes (kg/ha) pela cultura do milho destinada à produção de grãos e silagem, para diferentes produtividades.
 
 
P para P2O5 e K para K2O multiplicar por 2,29 e 1,20. Fonte: Adaptado de Coelho et al. (2002) 
Para a reposição do potássio extraído, parte do nutriente pode ser adicionada no adubo de plantio (até 50 kg/ha), parte, via adubação de cobertura, junto com o nitrogênio, e parte, antes ou imediatamente após a semeadura, aplicado a lanço. As quantidades e a melhor forma de aplicação deverão ser definidas pelo técnico, juntamente com o proprietário e/ou gerência da fazenda.
 
 
Manutenção do solo coberto a maior parte do tempo­ e adoção da semeadura direta/cultivo mínimo
 
Particularmente nas propriedades do Brasil Central, muitos produtores ainda cultivam suas áreas no sistema convencional, ou seja, colhem a silagem com solo úmido, colocam o gado na “palhada” durante a época seca do ano e preparam o solo para um novo plantio no final do ano. Geralmente, o preparo corresponde a uma aração, seguida de uma gradagem pesada e de uma ou duas gradagens niveladoras, anteriores ao plantio. Por outro lado, são inegáveis as dificuldades do sistema de semeadura direta nessas propriedades, pelo reduzido tamanho das áreas, dificuldade de equipamentos, compactação de alguns solos argilosos, em que a colheita ocorre com solo úmido.
Mas mesmo diante das dificuldades práticas, é possível reduzir a freqüência no preparo do solo, de três a quatro operações para uma ou duas, na pior das hipóteses. O que tem gerado bons resultados é a semeadura de uma cultura para cobertura morta do solo, imediatamente após o corte do milho (fevereiro-março). A planta de cobertura deverá ser semeada o mais rápido possível após a colheita, para aproveitar a umidade do solo e as chuvas remanescentes. Essa semeadura pode ser realizada com um único implemento, que subsola o solo, distribui as sementes e faz uma leve compactação delas com um rolo destorroador, em vez das arações ou gradagens. Além disso, o uso do subsolador é feito no final do período chuvoso, reduzindo os riscos com erosão. Como esse implemento não é comum em todas as propriedades, pode-se fazer a terceirização desse serviço, a aquisição do implemento em algumas propriedades ou mesmo compra associada. Pode-se, também, empregar um único implemento para o preparo do solo, como o subsolador, e distribuir as sementes com o distribuidor de fertilizantes. A espécie de cobertura a ser utilizada depende da região e dos objetivos do técnico e do proprietário. Pode-se, inclusive, fazer uma safrinha de sorgo, feijão ou girassol, dependendo da situação.
A presença de plantas de cobertura tem a função de proteção do solo, retenção de umidade, reciclagem de nutrientes e aumento da matéria orgânica, dentre outros. Cerca de 60 dias antes da semeadura do milho, a área já deverá ter sido roçada, para que haja brotação e/ou germinação de ervas, e a área seja manejada para um novo plantio. O tempo entre a dessecagem e a semeadura é variável (15 a 30 dias) com a planta de cobertura. Esse tempo é importante para a redução da população de alguns insetos prejudiciais à cultura (lagartas, vaquinhas, besouros, dentre outros), além de permitir uma boa condição de plantio
 
3- Época da semeadura:
 
Para evitar, riscos é sempre recomendável esperar um acumulado de chuva para o início da semeadura (cerca de 80 a 100 mm, dentro de 8 a 10 dias), além de previsões futuras de chuvas. No entanto, deve-se evitar desrespeitar a data recomendada de plantio para cada região. Para a região central do Brasil, existem dados na literatura mostrando perdas de 30 a 60 kg/ha para cada dia de atraso, após o dia 15 de novembro.
 
Qualidade de plantio e posicionamento dos híbridos
 
A qualidade da semeadura é essencial para que qualquer híbrido expresse seu potencial, quando todos os outros atributos estão adequados (correção de solo, adubação e clima apropriado). Para que isso ocorra, além de um preparo de solo e/ou dessecagem (áreas de cultivo mínimo ou plantio direto), deve-se fazer uma pré-regulagem da semeadora com antecedência, escolha correta dos discos, no caso dos sistemas mecânicos, e um bom tratamento de sementes de acordo com pragas da região, a fim de evitar perdas de população que comprometam a produtividade final da lavoura.
Geralmente, é recomendado o tratamento de sementes à base de carbamatos (tiodicarbe) para reduzir a população inicial das pragas de solo e mastigadores (lagartas). Para regiões com problemas de insetos sugadores, geralmente, as sementes são tratadas com produtos a base de imidacloprid ou tiametoxan. No caso específico do complexo de enfezamentos, doenças veiculadas pela cigarrinha-do-milho, Dalbulus maidis, a principal medida a ser adotada é o uso de híbridos resistentes à doença.
Por outro lado, os híbridos também não podem ser escolhidos por modismo ou acaso. Os híbridos deverão ser escolhidos de acordo com sua adaptabilidade à região, época de plantio, altitude (abaixo de 400 metros, acima de 700 metros ou transição entre 400 e 500 metros), tolerância às principais doenças que ocorrem na região e ao potencial de produção. É recomendado plantar mais de um híbrido na propriedade, principalmente porque as glebas são diferentes entre si. Nenhum híbrido é perfeito, sempre têm pontos fortes e fracos, que devem ser considerados de acordo com o período da seleção.
 
Manejo cultural
 
Após a semeadura, devem ser efetuadas as operações de manejo (manejo de ervas, pragas, doenças, adubação etc.).
O milho é uma planta muito sensível à presença de ervas até o fechamento da lavoura (aproximadamente, 40-50 dias após a semeadura). Dessa forma, durante todo esse período, a lavoura deverá ser monitorada. A melhor época de efetuar o controle de ervas é quando o milho atingir por volta de 3 a 4 folhas abertas, denominados de estágio V3 e V4 (12 a 20 dias, após a semeadura, dependendo do híbrido, época de semeadura, umidade, região etc.). Deverão ser avaliadas as ervas predominantes no local e aplicados os herbicidas de acordo com as espécies presentes (folhas largas ou estreitas).
O milho é uma cultura atacada por diversas pragas, sendo as principais a lagarta-do-cartucho, as cigarrinhas-das-pastagens, a broca-da-cana, a lagarta-elasmo, a lagarta-rosca, os percevejos, dentre outras. No caso das lagartas, mesmo com o tratamento de sementes, geralmente, ocorrem prejuízos, se não forem tomadas medidas de controle, posteriormente, ao detectar os insetos na lavoura. O manejo dependerá da infestação na área. Dessa forma, assim que houver 15 a 20% das plantas de milho raspadas pela lagarta-do-cartucho, será feito o controle. Existem no mercado mais de 100 produtos registrados para esse fim.
Além do controle de ervas e pragas, deve-se ficar atento para a melhor época de fazer a adubação de cobertura do milho. Como o milho é uma cultura que define seu potencial produtivo muito cedo (4 a 6 folhas abertas), não pode estar sujeito a nenhum estresse nessa época, principalmente relacionado com a falta de nutrientes. Dessa forma, convencionou-se que a adubação de cobertura deverá ser realizada quando o milho estiver com 4 folhas totalmente formadas. Em certos casos, principalmente, em solos arenosos e/ou áreas irrigadas, essas adubações deverão ser divididas em mais de uma etapa. A adubação deverá ser feita 7 a 10 dias após a capina, quando for utilizado algum herbicida do grupo sulfonil-uréia (Sanson ou Equip Plus) na capina. A quantidade de adubo empregada será de acordo com o potencial de cada área e estimativa de produção da lavoura. O adubo será aplicado nas entrelinhas da cultura de milho e enterrado a 5 cm de profundidade, para evitar perdas do nitrogênio por volatilização, na forma de amônia. Nos casos em que fonte de nitrogênio for o nitrato ou o sulfato de amônio e a propriedade dispuser de bons equipamentos para distribuição, a adubação de cobertura poderá ser feita a lanço.
No entanto, de nada adianta seguir todos esses passos de manejo a risca e negligenciar no momento correto da colheita. Para que a silagem tenha boa qualidade, além da lavoura produtiva e sadia, o material deverá ser colhido com matéria seca entre 30 a 33%, bem picado, a fim de que todos os grãos sejam bem danificados. Outro ponto muito importante é a qualidade da compactação e o tempo de fechamento do silo. Quanto maior a compactação e mais rápido o fechamento dos silos, melhor será a silagem.
 
 

 





E ai, o que achou dessa matéria? Deixe aqui seus comentários:






Copyright InteRural. Todos os direitos reservados. Serviços: Assine a Revista | Fale Conosco | Anuncie aqui