InteRural Berrante Comunicação




Leucena


Banco de proteína de leucena, mais uma alternativa interessante

Junio Cesar Martinez - Engenheiro Agrônomo pela UFMT e Doutor em Ciência Animal e Pastagens (Esalq/USP)

A leucena é originária da América Central, e, nas regiões tropicais de solos férteis bem drenados, esta leguminosa pode produzir, a baixo custo, elevadas quantidades de proteína para serem empregadas na alimentação animal. É uma planta de grande aceitação pelos animais e de grande tolerância à seca, mantendo-se verde durante, praticamente, todo o ano. A leucena é uma planta perene, e são citados plantios com mais de 40 anos em utilização sem apresentar definhamento.
 Experimentos conduzidos em Campo Grande (MS), em Latossolo Vermelho Escuro com pH em torno de 5,5 e com teor de alumínio 0,3 a 0,5, mostraram que aplicações de 4 toneladas de calcário dolomítico por hectare e adubação de 450 kg de superfosfato simples mais 40 kg de FTE-Br16/ha, possibilitaram a obtenção de produções de 5,5 a 6,0 t de MS/ha, na fração utilizável para forragem (folhas + vagens + hastes finas). No entanto, em anos de seca acentuada, a produção de outono é bastante baixa (1,5 a 2,0 t de MS/ha). No CNPGC (Centro de Pesquisa Nacional de Gado de Corte), em Campo Grande (MS), estão sendo efetuadas pesquisas, visando à seleção de leucenas para sua adaptação a solos ácidos e que deverão levar à indicação de variedades dentro dos próximos anos.
 Para que a leguminosa possa desenvolver-se normalmente, precisa estar nodulada com uma bactéria (Rhizobium). Os nódulos formados por esta bactéria situam-se em pequenas raízes laterais, próximas à superfície do solo e, quando efetivos na fixação de nitrogênio atmosférico, apresentam cor rosada intensa e podem fixar, anualmente, mais de 500 kg de N/ha. Para melhor adesão do inoculante às sementes, deve-se aplicar o inoculante com adesivo preparado com polvilho, semelhante ao que já foi descrito para o guandu. Emprega-se meio litro de adesivo para cada pacote de inoculante de 200 g, quantidade suficiente para inocular 50 kg de sementes. As sementes inoculadas devem ser mantidas à sombra e semeadas o mais breve possível.

Leucena consorciada com milho
 A leucena deverá ser semeada na primavera, podendo-se usar plantio manual ou mecanizado, colocando-se as sementes, no máximo, a 1,5 cm de profundidade. Os melhores resultados de estabelecimento são os de plantio de outubro-novembro, que coincidem com a época de chuvas abundantes. Plantios tardios, em janeiro, levam a atraso na formação, cujo "stand" somente se estabelece adequadamente no segundo ano.
 Dependendo do propósito a que se destina, o espaçamento e a quantidade de sementes poderão variar bastante. Em plantios densos, para serem usados em cortes frequentes, o espaçamento será de 1 metro entre linhas, com uma cova a cada 30 cm na linha. Serão colocadas três sementes por cova e, quando o plantio for mecânico, serão colocadas 9 a 10 sementes por metro linear. Quando a leucena for plantada para pastejo direto, serão empregados espaçamentos maiores (2 a 3 m entre linhas), com uma cova por metro linear e 3 sementes por cova. Poderá ser usado, ainda, o plantio com espaçamento de 5 metros entre linhas, quando a leucena for plantada em faixas, consorciada com gramíneas, para uso em pastejo rotativo.
 Em legumineiras em que se visa ao pastejo direto durante a estação seca, o espaçamento de 3 m entre linhas tem mostrado ser adequado, porque facilita a circulação dos animais dentro de legumineira, favorece as operações de corte das hastes remanescentes do pastejo ao final do período de suplementação e facilita também o deslocamento de máquinas em operações de capina e aplicação de adubos. Quando o manejo empregado for o de pastejo direto durante a seca, é conveniente, ao final da estação de suplementação, efetuar o corte das hastes lenhosas remanescentes a 15-20 cm de altura, para que ocorra novo rebrote e que se mantenha a leucena com um porte acessível ao pastejo direto na estação seca seguinte.
 A leucena tem excelente valor proteico. O teor de proteína bruta, na fração de folhas + vagens, situa-se entre 21 e 23% e, nas hastes finas, entre 8 a 10%. A fração utilizável para forragem, sendo uma mistura de, aproximadamente, metade de folhas mais vagens e metade de hastes finas, faz com que a forragem obtida apresente teores médios entre 14,7 e 16,5% de PB. Assim, o valor nutritivo do material foliar da leucena pode ser comparado ao da alfafa (Medicago sativa), tida como a ‘rainha’ das leguminosas forrageiras, com teores de proteína bruta, minerais e aminoácidos muito similares. O material foliar da leucena é também uma excelente fonte de b-caroteno, precursor da vitamina A, o que tem vital importância na época seca, quando o pasto, geralmente, está seco, e a leucena apresenta-se verde.
 A leucena pode ainda ser utilizada na forma de feno ou farinha (obtida pela moagem e dessecação ao sol) fornecida a bovinos, suínos e aves, embora, neste caso, devam ser utilizadas as leucenas que registrem teores baixos de Mimosina. Pode ainda ser cortada juntamente com o milho e/ou sorgo para a confecção de silagens mistas, com benefícios em termos de enriquecimento proteico da silagem resultante, sem qualquer prejuízo para o processo fermentativo. Adições de 20% de leucena ao milho resultam em elevação do teor de proteína bruta na silagem em até 12% na matéria seca. Silagens exclusivas de leucena podem ser confeccionadas em tambores ou em pequenos silos de superfície, utilizando-se filmes de polietileno.
 Alguns estudos de desempenho animal já foram conduzidos. Chamou a atenção um estudo com novilhos alimentados com cana-de-açúcar e leucena desintegradas, em que os animais, consumindo essa ração de baixo custo, ganharam 0,6 kg de peso vivo por dia. Na Austrália, foram obtidos ganhos elevados em novilhos, nas pastagens consorciadas de leucena + setária, chegando-se a 0,930 kg de peso vivo por dia. Com relação a sua utilização para vacas leiteiras, estudos verificaram que a adição de 5 kg de forragem fresca de leucena à ração de vacas leiteiras elevou a produção diária em 0,4 litros/leite por dia, além de aumentar o teor de gordura no leite.
 Entretanto existe uma ressalva para o uso de leucena na alimentação animal. Quando a leucena for utilizada como alimento exclusivo, pode-se verificar efeito adverso à saúde dos animais, porque contém um aminoácido denominado "Mimosina", que pode chegar a se apresentar na proporção de 3 a 5% da proteína total, e seu efeito manifesta-se por disfunções metabólicas como perda de pelos na cauda, salivação e perda de peso. Pode induzir, também, à disfunção da atividade de reprodução em vacas, mas os efeitos são irregulares e reversíveis. Estes efeitos ocorrem somente quando a leucena é consumida em mais de 50% da dieta e por um período que exceda 6 meses. Algumas espécies como L. pulverulenta apresentam teores insignificantes de Mimosina, e a cultivar Cunningham, que é um cruzamento entre L. leucocephala com L. pulverulenta, apresentam teores reduzidos deste aminoácido.
 Caso um animal venha a se intoxicar com a ingestão de leucena, este problema pode ser facilmente resolvido, retirando-se a leucena da dieta dos animais. Ressalta-se que a leucena, como ração para ruminantes, deve ser introduzida aos poucos, devendo atingir um máximo de 20% – 30% da dieta.

Considerações finais
 A leucena é uma alternativa interessante para aumentar o teor protéico de dietas de vacas leiteiras a baixo custo, em especial, nos sistemas que exploram pastagens, podendo ser consorciada ou utilizada na forma de banco de proteína. Embora seja uma planta de excelente potencial, seu uso não é muito tradicional no Brasil. A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) tem desenvolvido bons trabalhos com leucena, pesquisando novos cultivares e aprimorando as técnicas de utilização deste recurso forrageiro.
 






E ai, o que achou dessa matéria? Deixe aqui seus comentários:





Últimos comentários:
Pedro Rodrigues - Novo Horizonte | 01/02/2013 12:59

Muito interessante, inclusive estou coletanto sementes para plantio nas minhas pastagens de brachiaria decumbens e marandú em área com declive, só não sei se a planta encontrada possui baixo ou alto teor de mimosina. Poderiam me ajudar a identificar. (E-mail: pedrolecigar@yahoo.com.br)

Pedro Rodrigues - Novo Horizonte | 01/02/2013 12:46

Muito interessante, inclusive estou coletanto sementes para plantio nas minhas pastagens de brachiaria decumbens e marandú em área com declive, só não sei se a planta encontrada possui baixo ou alto teor de mimosina. Poderiam me ajudar a identificar. (E-mail: pedrolecigar@yahoo.com.br)

joão batista gome mariano - sitio serrotinho | 10/11/2012 18:35

a leucena é importante mesmo, possuo hoje 20 ovelha, gostaria de receber gratuitamente um pouco da semente da leucena, pois não posso comprar, sou um pequeno agricultor em mirandiba no sertão central de pernam,bcuo a 480 km do recife, aqui praticamente fa mais de ano que choveu na zona rural, abraços, que puder mande pelos correios essas sementes meu endereço, rua João Cantarelli sobrinho, 02, bairro joaquim bezerra mirandiba pernambuco, CEP 56980000, valeu, que pude me ajudar fico agradecido xau.

Luciano Ferreira dos Santos - SENAR_SEBRAE_RIOCON_UNIRIO_IDAN | 21/09/2012 22:36

Muito bom, parabéns...

Marileide Conceição dos Santos - Universidade Estadual do Piauí | 18/09/2012 22:02

Gostei muito da matéria,tirei inúmeras dúvidas.Obrigada.

Roberto Maux - Faz. Sta Rosa/ Faz. Pedra Bonita | 18/06/2012 14:32

Muito boa a matéria, mas ainda tenho duvida na aplicação em vacas de leite, tem alguma Leucena específica?

PEDRO LUIZ - GRUPO FACCHINI | 16/01/2012 16:47

PRECISO O MAIS RAPIDO POSSIVEL DE COMPRAR SEMENTES DE LEOCENA. SE POSSIVEL ENTRAR EM CONTATO.GROTO E AGUARDO PEDRO LUIZ (66) 9216-3531

Washington Queiroz - Sec de Agricultura de Santa Luzia | 05/01/2012 10:45

Gostaria de obter informações, para o uso da leucena na alimentação de caprinos, ovinos, aves e peixes,e como poderiamos estar trabalhando uma ração com o uso da mesma. Estamos na região Nordeste, no Maranhao.

Francisco de Paula Fortaleza - fazenda Conceição - Choró Limão - Ceará | 02/01/2012 23:10

Em caso de cultivar em que não foi feita a inoculação com Rhizobium, qual o teor proteico da Leucena? Como corrigir a falta do aludido inoculante em tais cultivares e qual o resultado esperado? Como e onde conseguir o inoculante?

ricardo carneiro - jandaira | 23/10/2011 18:19

peço se possivel informações da leucena com acunhã.que espaço devo usar? grato, Ricardo.

Cleonice Borges - pessoa fisica | 17/10/2011 09:21

já lí muito sobre leucena, quero triturar na forrageira, secar e ensacar para dar as cabras, quero saber se posso dar tambem aos porcos...

cleuson andrade - sitio minas gerais | 15/10/2011 13:32

gostaria de saber maiores detalhes de pastejo com leucena para vaca leiteira,caprinos e ovinos de corte estou no extremo norte do brasil roraima tenho observado que aqui tem varios pontos a beira dos igarapes que ela se desenvolve muito bem nativa se tratos culturais sou tecnico em agropecuaria e leio muito sobre leguminosas gostaria de saber vlr. da semente quero fazer um experimento tanto para pastejo qto para fornecer verde junto com cana picada obrigado. gostei muito da materia. ag seu retorno

andré ruggeri - Sitio Recreio e Acarape | 05/09/2011 21:13

Muito interessante a matéria, gostaria de saber como adquirir as sementes de leucena. Obrigado pelo espaço.

Bruno Q B - Três Irmãos | 16/08/2011 17:13

Já implantei o banco de proteína na fazenda, mas a produtividade esta me desanimando... a adubação está correta, mas acredito que teria que irrigar, só que será que valeria a pena? Como seria o custo beneficio? Tem muito pouco estudo. Gostaria de mais informação, porque sei das grandes qualidades da Leucena e não quero desistir.

Willian Cesar Cunha - DHES consultoria ltda | 18/02/2011 18:01

Ola gostaria de saber informação sobre piquetes de leucena para bovinos de leite.

ana costa - 4 irmãos | 10/12/2010 14:12

gostaria de saber melhores informações do uso da leucena na alimentação de ovinos e dicas sobre o cultivo

jose anchieta do nascimento - patos | 11/11/2010 11:45

procurei informações sobre leucema,gostei. tenho uma propriedade pequena e quero fazer plantio desta semente. tenho gato ,pouco, e vou criar frango,anchieta-quixeramobim-ce-proximo de quixada

FRANCISCO SARAIVA - RIACHO VERDE QUIXADÁ-CE | 22/07/2010 18:06

ESTOU COM PROJETO PARA IMPLANTAR UM BANCO DE PROTEÍNAS ATRAVÉS DA LEUCENA.GOSTARIA DE MAIS INFORMAÇÕES. AGUARDO.

Junior - Agraer | 10/04/2010 08:40

Estamos conduzindo um experimento com leocena na alimentação de vacas leiteiras visando o aumento do teor de gordura no leite, algumas informações que nos faltava foram encontradas neta materia.


Copyright InteRural. Todos os direitos reservados. Serviços: Assine a Revista | Fale Conosco | Anuncie aqui